Internet

Ataques comuns sofridos por sites criados com WordPress

Neste artigo discutiremos os ataques hackers mais comuns sofridos por sites criados com WordPress

Escrito por redacao · 2 minutos de leitura >
Ataques comuns sofridos por sites criados com WordPress

O WordPress fornece a estrutura básica para muitos sites publicarem texto, imagem e conteúdo de vídeo na World Wide Web. E sempre foi um alvo atraente para a maioria dos hackers e outras formas de crimes cibernéticos. O que faz sentido considerando que agora mais de 32% da Internet roda em WordPress.

Neste artigo, discutiremos as maneiras mais comuns de comprometimento de sites WordPress.

O Command Injection

WordPress opera em três camadas principais: o servidor de aplicativos, o servidor web e o servidor de banco de dados. Mas cada uma dessas camadas está operando em hardware com sistema operacional específico, como MS Windows ou Linux e essa é uma área vulnerável potencial de ataque. Nesse caso, um hacker irá inserir informações maliciosas no campo de texto ou URL, semelhante à injeção de SQL. 

Determinadas câmeras conectadas à Internet são especialmente vulneráveis ​​a ataques de injeção de comando. Seu firmware pode expor indevidamente a configuração do sistema a usuários externos quando um comando não autorizado é emitido.

Você pode gostar de ler:

Cross-site Scripting

Também conhecido como XSS, tem como alvo os elementos JavaScript em uma página da Web em vez do banco de dados atrás do aplicativo. Com isso, o hacker adiciona código JavaScript a um site por meio de um campo de comentário ou outra entrada de texto, então esse script malicioso é executado quando os usuários visitam a página e, simultaneamente, as informações privadas dos visitantes externos estão sendo comprometidas. O JavaScript desonesto normalmente redireciona os usuários para um site fraudulento, que tenta roubar suas credenciais e outros dados de identificação.

Inclusão de arquivos

Linguagens comuns de codificação da web, como PHP e Java, permitem que os programadores façam referência a arquivos e scripts externos dentro de seu código. O comando “include” é o nome genérico para este tipo de atividade.

Em certas situações, um hacker pode manipular a URL de um site para comprometer a seção “include” do código e obter acesso a outras partes do servidor de aplicativos. Determinados plugins para a plataforma WordPress são considerados vulneráveis ​​a ataques de inclusão de arquivos. Quando esses hacks ocorrem, o infiltrado pode obter acesso a todos os dados no servidor de aplicativos primário.

Malware

Certos códigos maliciosos podem ser inseridos em seu WordPress por meio de tema, plugin ou script desatualizado. Este código pode extrair dados do seu site, bem como inserir conteúdo malicioso e pode causar sérios danos se passar despercebido por um longo período de tempo. Isso pode adicionar custos às suas despesas de hospedagem, já que uma grande quantidade de dados é transferida ou hospedada em seu site.

Ataque DDOS Ataque

DDOS, ou seja, negação de serviço distribuída é a versão estendida de negação de serviço (DoS) na qual um grande volume de solicitações é gerado para um servidor web, o que torna o site lento e, em última análise, ele trava. A diferença é que o DoS é executado por meio de uma única fonte, enquanto o DDoS é um ataque organizado executado por meio de várias máquinas em todo o mundo. 

PENSAMENTOS FINAIS!

Agora você está familiarizado com as várias vulnerabilidades do Word Press. É importante notar que as atualizações desempenham um papel crucial em manter a segurança intacta e sempre que houver qualquer atividade incomum, comece a cavar até encontrar o problema e a solução também, pois se for ignorado por um longo período de tempo pode custar milhares de $$.

Como um bom SEO traz tráfego de alta qualidade

Como um bom SEO traz tráfego de alta qualidade

redacao dentro Uncategorized, Internet
  ·   2 minutos de leitura
Google sala de aula: conheça esse recurso!

Google sala de aula: conheça esse recurso!

redacao dentro Internet, Educação
  ·   3 minutos de leitura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *